terça-feira, 30 de novembro de 2010

1 história por dia #2

Este homem esconde o coração.
Enquanto fala, enquanto olha, sentado à mesa, sobre uma das suas últimas viagens, tem o coração numa das mãos e esconde-o com um braço atrás das costas.
Porque razão?
Será que o esconde ou espera apenas o momento certo para o revelar?
Parece que o quer dar, mas não consegue.
Tem um cão que se chama Zé, que o acompanha sempre para onde quer que vá.
Ao que parece é músico, pianista, viaja pelo mundo mas tem medo de sonhar.
Nada de especial, apenas isto, no final acaba por contar pouco das suas viagens, fala pouco, mesmo que inicialmente pareça ser extrovertido e falador de páginas prolongadas, explode apenas por poucos segundos com grande expressão ou com uma afirmação convincente e depois apaga, desliga, como se desaparecesse do lugar onde se encontra, e quem está por perto, de boca aberta e olhar expectante, tem a sensação que se calhar alucinou com alguma visão dele, quem o escuta nem sequer tem tempo de entender que ficou por ali a história do homem viajante.
E agora levanta-se.
Deve ir para casa, mora ali perto.
A rapariga que vai todos os dias ao café à mesma hora, observa-o, e ele como se intuísse que estivesse a ser observado, olha num gesto involuntário na sua direcção,
ela baixa-se para apanhar a caneta que lhe tinha caído das mãos, ele volta-se novamente para a frente e sai, ela volta à realidade dos livros e das escritas, os seus pensamentos como folhas outonais esvoaçam para a exposição de escultura que irá ver esta tarde.

Texto: Clara Marchana

1 comentário:

arKana disse...

olá!
também a tua história parece que explode, por breves segundos ;)
gosto muito
beijos