sábado, 22 de janeiro de 2011

1 história por dia #8 ou paradoxos de locomoção



Há muitos dias que a rapariga não sai de casa com o sol nos olhos.
A única coisa que tem aprendido a fazer, é perder-se. E como o sabe fazer. Adquiriu agilidade no acto de se perder de si mesma.
Tem a sensação de não estar a andar a lugar nenhum, vive apenas presente, no momento presente, vê passar o tempo, a paisagem.
Quem sabe, se já não consegue simplesmente, ver o que está à sua frente.
Paradoxos das estradas.
Estará ela a atravessar um portão tão grande, sem se aperceber? Ou, será este tão pequeno que nem repara?
E sem se dar conta está a caminhar, a sair, e a estrada já não é a mesma, e vai finalmente em direcção ao seu encontro.

Texto: Clara Marchana

3 comentários:

Quimera disse...

Olá,
Gostei muito do teu texto e a imagem que lhe associaste é fantástica!
Beijinho

Clara M. disse...

Olá Quimera,

agradeço a tua visita e o teu comentário:)
Beijinhos

arKana disse...

Olá! eu acho (mas isso sou eu) que o portal é muuiiittoo grande ;)
adorei a estrada ir ao seu encontro, demais ;)
beijo