segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Tempo sem som

Sem conseguir dizer nada.
Não consegue exprimir-se.
Assustou-se porque no tempo em que falava espontaneamente, não foi compreendida, e foi magoada.
Criaram-se mal-entendidos num arco do tempo.
Tenta exprimir-se, mas não lhe saem as palavras.
Criaram-se rupturas que ainda não cicatrizaram.
E depois existem juízes à espreita, à espera de criticar, de julgar,
ansiosos por colarem no outro um previsível rótulo de culpado ou inadaptado.

Texto: Clara Marchana


Sem comentários: