quarta-feira, 28 de outubro de 2009

"Como um burro em frente a um palácio"



Às vezes os dias deixam-na presa às emoções.
E ela não consegue abrir a boca num tempo prolongado, por manifestações incompreendidas,
num corpo que fala, que se exprime, que dá impulsos, saltos, mas sem legendagem.
Fica atónita perante tal acontecimento, incapaz de fazer seja o que seja, sem saber porque sucede.
Deixa-se andar e observa de máscara neutra tal incompreensão, tal surpresa, boquiaberta perante o que não conhece.

Texto: Clara Marchana

Sem comentários: