sábado, 18 de julho de 2009

Casa acesa pela luz do sol

Ela sonhou que estava dentro de uma casa,
mas que não era a sua, era a dele.
Uma casa por onde o sol entrava em todas as suas frentes.
Janelas e mais janelas semi-fechadas,
mas por onde teimava furar a luz do sol.
Uma luz que violava e acendia aquela casa.
Ela espreitou por uma das janelas semi-abertas, e resolveu sair pela janela lá para fora.
À sua volta, uma imensidão de terra, côr castanho fértil, com um enorme terreno lavrado de jovens vinhas,
com troncos que se torciam e pequenos rebentos de folhas verdes a quererem impulsivamente sair,
enquanto ao longe, o azul sereno do mar espreitava.

Texto: Clara Marchana

1 comentário:

Juliett Farnesse disse...

Precioso! When you are going to include some fragments of Julieta?

Sinceridade

Para ser sincera. Hoje sinto-me triste. Não sei bem porquê. Melancólica. Às vezes sinto mais a vida, filigrana de cristal fino. Olho par...